Nobel 2021: veja quem são os vencedores da premiação
Spread the love

O prêmio Nobel é uma das principais premiações mundiais que reconhece, desde 1901, os profissionais de seis áreas de atuação que se destacaram em contribuições à humanidade. Os laureados se dividem nas categorias de Química, Física, Medicina, Literatura, Economia e Paz.

Confira os escolhidos para receberem a honraria no ano de 2021:

Medicina: Ardem Patapoutian e David Julius

David Julius e Ardem Patapoutian

Os cientistas realizaram descobertas importantes sobre os receptores de toque e temperatura no corpo humano e como as sensações físicas se convertem em mensagens elétricas no sistema nervoso. Os estudos serão usados, dentre outras coisas, para criar novas maneiras de tratar a dor — incluindo doenças crônicas.

Física: Syukuro Manabe, Klaus Hasselmann e Giorgio Parisi

Syukuro Manabe, Klaus Hasselmann e Giorgio Parisi 

O Nobel de Física foi dividido entre três físicos pela contribuição no entendimento de sistemas físicos complexos. Manabe e Hasselmann receberam metade do prêmio por um modelo físico do clima da Terra, quantificando a variabilidade e prevendo com segurança o aquecimento global. A outra metade foi destinada à Giorgio Parisi, que propôs “soluções teóricas para uma vasta gama de problemas na teoria de sistemas complexos”.

Química: Benjamin List e David W. C. MacMillan

Benjamin List e David W. C. MacMillan

O alemão Benjamin List e o americano David W. C. MacMillan levaram o Nobel da Química por desenvolverem uma nova ferramenta de construção de moléculas, chamada organocatálise. A ferramenta é considerada uma vitória por ser significativamente menos nociva ao meio-ambiente. 

Literatura: Adbulrazak Gurnah

Adbulrazak Gurnah

O escritor tanzaniano foi o laureado deste ano, “por sua penetração intransigente e compassiva dos efeitos do colonialismo e do destino do refugiado no abismo entre culturas e continentes”. A temática principal de sua obra é a questão dos refugiados. Gurnah é apenas o quarto autor negro — dentre os 118 premiados até hoje — a ser contemplado com um Nobel de Literatura. Os outros três premiados são (em ordem cronológica): o nigeriano Wole Soyinka, o caribenho Derek Walcott e a norte-americana Toni Morrison — até hoje, a única mulher negra a conquistar o prêmio. Gurnah, que já teve um de seus livros como finalista no prêmio de ficção Booker Prize, ainda não teve sua obra publicada no Brasil. Esperamos vê-lo por aqui em 2022.

Paz: Maria Ressa e Dmitry Muratov

Maria Ressa e Dmitry Muratov

A filipina Maria Ressa e o russo Dmitry Muratov, ambos jornalistas, foram os premiados com o Nobel da Paz, pela luta do jornalismo investigativo independente em prol da liberdade de expressão e informação. Nas palavras da academia sueca, “”Ressa usa a liberdade de expressão para expor o abuso de poder, o uso da violência e o crescente autoritarismo em seu país natal. Rappler (empresa de jornalismo investigativo da qual Ressa é uma das fundadoras) deu atenção à campanha assassina do regime de Duterte. O número de mortes é tão alto que parece uma guerra contra a própria população do país”. Sobre Dmitry, co-fundador do jornal independente Novaya Gazeta, que já teve seis jornalistas mortos desde que foi fundado, declararam: “Apesar das mortes e ameaças, Muratov se recusou a abandonar a política independente do jornal”. Ambos os jornalistas tem um trabalho importantíssimo e corajoso que ajuda a manter a democracia e a paz e condenar os abusos de poder.

Economia: David Card, Joshua D. Angrist e Guido W. Imbens

David Card, Joshua D Angrist and Guido W. Imbens

O Prêmio Nobel de Economia foi concedido a David Card “por suas contribuições empíricas para a economia do trabalho” e a Joshua D. Angrist e Guido W. Imbens “por suas contribuições metodológicas para a análise das relações causais”. O trio “contribuiu com novas ideias sobre o mercado de trabalho e mostrou quais conclusões podem ser tiradas de experiências naturais em termos de causas e consequências. A abordagem deles se espalhou para outros campos e revolucionou a pesquisa empírica”. 

*Fonte: Nobel Prize, G1, Exame, UOL


Spread the love

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.